Atendimento (81) 3268-2211
×

Notícias

Confira aqui o resultado do Concurso Literário da APL 2023

A Academia Pernambucana de Letras (APL) acaba de anunciar os ganhadores da edição de 2023 do Concurso Literário da APL. Os vencedores são Alfredo Guimarães Garcia, da cidade de Ananindeua (PA), com a obra ‘Quando eu fui silêncio’, na categoria Poesia – Prêmio Antônio de Brito Alves; e Jenny Rugeroni, da cidade de São João da Boa Vista (SP), com a obra ‘Jaguari’, na categoria Conto – Prêmio Osman Lins.

Segundo o parecer das comissões julgadoras, formadas por acadêmicos da APL, os livros escolhidos têm excelente qualidade técnica e honram o prêmio da academia. Ambas as categorias também concederam menção honrosa para os seguintes trabalhos que receberão um certificado da instituição:

POESIA (Prêmio Antônio de Brito Alves):

  1. ‘O pó das certezas’, de André Luis Soares (Guarapari – ES),
  2. ‘Abril’, de Francisco Edmar de Freitas(Fortaleza – CE),
  3. ‘Na janela da frente não cabe uma cidade’, de Sérgio Corrêa Miranda Filho (Nova Friburgo – RJ).

CONTO (Prêmio Osman Lins):

  1. ‘Um tijolo parado no ar’, de Thiago de Castro Souza (São Paulo – SP),
  2. ‘As linhas intransigentes do acaso’, de Alex Alexandre da Rosa (Jundiaí – SP).

Para o ganhador da categoria Poesia, Alfredo Guimarães Garcia, receber a premiação é uma honra. “A APL é uma instituição que tem uma respeitabilidade e credibilidade imensas junto à comunidade literária nacional. Meu processo de criação para o livro ‘Quando eu fui silêncio’ advém do leitor que eu fui. Sempre li muita poesia. Depois que me aposentei, voltei a reler os meus poetas emblemáticos e iniciei a escrita deste livro aos poucos. Foi um processo mais lento, de maturação, em busca de profundidade. Nele perpasso as temáticas do tempo, da finitude e da metalinguagem”, compartilha.

A vencedora da categoria Conto, Jenny Rugeroni, dedicou-se à escrita do livro ‘Jaguari’, formado por contos escritos ao longo de vários anos. “Enquanto alguns enveredam pela autoficção, outros surgiram a partir da observação do mundo ao redor, mas sempre retratando problemas sociais e familiares no Brasil atual. Os textos retratam principalmente mulheres, abordando temas como amadurecimento, condições precárias de trabalho, pandemia de Covid, machismo, abuso sexual, alcoolismo, violência doméstica e outros traumas”, explica.

“Acredito que a conscientização das pessoas é o início da mudança. Ao mesmo tempo, também procuro compartilhar esperança e otimismo. Receber o prêmio é a certeza de que não posso desistir. Além de tudo, sou completamente apaixonada pela escrita do Osman Lins. Que honra vencer um prêmio com o nome dele!”, finaliza Rugeroni.

Cada ganhador receberá uma premiação no valor de R$2 mil que será entregue durante a solenidade de celebração do aniversário de 123 anos da Academia Pernambucana de Letras, em 26 de janeiro, na sede da instituição.

 

Após quatro anos de intervalo, a premiação retornou abrangendo três categorias: Poesia, Conto e Romance. O resultado divulgado é parcial e, em fevereiro, será complementado com a divulgação da obra vencedora da categoria Romance – Prêmio Vânia Souto Carvalho. Devido ao elevado número de inscrições, ela terá seu resultado compartilhado posteriormente.

“O número de inscrições para esta edição do concurso nos surpreendeu positivamente e demonstrou a relevância e a credibilidade da APL em todo o Brasil, com a chegada de trabalhos dos mais diversos estados do país. Assim cumprimos nossa função de incentivar as novas produções literárias”, comemora o presidente da APL, Lourival Holanda.

Minibio Alfredo Guimarães Garcia

Alfredo Guimarães Garcia é o nome literário de Joaquim Alfredo Guimarães Garcia, paraense de Bragança (PA), nascido em 1961, e residente em Ananindeua (PA) há mais de três décadas. É mestre em Estudos Literários pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e já publicou mais de 60 livros em quase quarenta anos de literatura. Seus livros mais recentes são “Fragmentário” (Telucazu, Romance, 2022), “Toró” (Elo, Infantil, 2022), “Os feios não envelhecem” (Sapucaia Tickets, Crônicas, 2023) e “Memórias de meninos e meninas” (Folheando, Contos, 2023).

 

Minibio Jenny Rugeroni

Jenny Rugeroni é bancária, formada em Comércio Exterior e mãe de dois filhos. Vive com a família e catorze gatos no interior de São Paulo, na região da Serra da Mantiqueira. Publicou os romances “A Herdeira do Silêncio”, “Um Céu de Estrelas Curiosas”, “O Ano em que não Choveu” e “Insubordinada”, além de diversos contos e crônicas. Em sua escrita, apresenta um olhar lírico sobre o cotidiano, convidando à reflexão sobre a desigualdade social e os dilemas enfrentados pelas mulheres contemporâneas.

 

Sobre a Academia Pernambucana de Letras (APL)

A Academia Pernambucana de Letras é a terceira casa literária do Brasil, fundada depois da cearense e da brasileira, no dia 26 de janeiro de 1901. O objetivo do grupo fundador, encabeçado pelo escritor Carneiro Vilela, era discutir e cultivar a língua portuguesa e a literatura produzida em Pernambuco. A instituição é uma das mais importantes do país e conta com programação cultural gratuita e aberta ao público, com exposições, encontros literários, palestras de escritores, poetas, artistas e músicos, além de lançamentos de livros e concursos literários.


SERVIÇO

Academia Pernambucana de Letras

Av. Rui Barbosa, 1596, Graças, PE

E-mail: apl.informa@gmail.com
Telefone: (81) 3268-2211
Visitação: de terça a sexta-feira, das 10h às 16h (agendamentos pelo (81) 3268-2211)

Instagram: academiadeletras_pe
Facebook: academiadeletras.pe

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support