Atendimento (81) 3268-2211
×

Publicações

Hoje é dia de Maria – Cícero Belmar

Sempre que ouço as expressões “mulher, negra e periférica”, penso de imediato que se tratam de um clichê; ou de palavras que eventualmente viram moda e se adaptam aos discursos da hora. Mas, eu juro, essa é a precisa descrição de minha amiga, residente no bairro de Santo Amaro, noroeste do Recife, que criou os dois filhos praticamente sozinha. O companheiro foi embora quando as crianças eram pequenas e ela enfrentou uma realidade difícil. Precisou dos programas sociais do governo, que contribuíam com pouco, mas eram melhores do que nada.

Trabalhou de manicure e vendedora. É claro que contou, também, com a ajuda de algumas poucas pessoas; a barra pesava demais e cada um sabe de si. Foi assim, tirando leite de pedras, que superou dias, meses e anos, ganhando um salário mínimo por mês para garantir o básico dentro de casa. Nas ocasiões em que teve emprego com carteira assinada, enfrentava drama de consciência, todas as manhãs, quando precisava sair de casa para o trabalho: corria o risco de deixar os filhos pequenos expostos às tentações das ruas, quando eles largavam da escola e enquanto ela estava ausente, cumprindo oito horas de jornada.

Não é exclusividade de minha amiga. A grande maioria das mães pobres e moradoras de comunidades criam filhos sozinhas. E na hora de ir trabalhar, é sempre a mesma coisa. Como não têm escolha, enfrentam o mesmo dilema: ou saem de casa para o serviço ou não têm dinheiro para comprar comida. No Brasil, são milhares de mulheres nessa mesma situação, excluídas e oprimidas, mas que merecem uma vida plena e digna. Essa realidade, inclusive, foi transformada numa das mais belas músicas do cancioneiro brasileiro, criada há mais de 40 anos. Maria, Maria fez parte do disco Clube da Esquina, em 1978.

O curioso é que a primeira gravação, não tinha letra, só lá, lá, laiá, lá, lá. Essa só veio depois quando o Grupo Corpo, de teatro, encenou o espetáculo cujo título foi Maria, Maria. Com roteiro de Fernando Brandt, falava de uma personagem chamada Maria, mulher preta, mãe solo, batalhadora. Era um musical com várias canções de Milton Nascimento e coreografia de Oscar Araiz. Foi um sucesso. No espetáculo, Maria, Maria ganhou letra, que era cantada pelos atores em cena. É essa versão que hoje conhecemos e que foi imortalizada por Elis Regina, quando gravou o disco Saudades do Brasil, em 1980.

Resgato essas histórias para negritar este 25 de julho. É o Dia da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha. Se o 8 de março é o Dia Internacional, a efeméride de hoje exige uma reflexão mais focada nas marias negras, periféricas e desassistidas. Se você conhece uma dessas mulheres, não têm dúvidas: a narrativa de todas se assemelha com a saga das heroínas e guerreiras. Parecem de ferro e coração de melão. No Brasil, o 25 de julho é comemorado desde 2014, quando a data foi adotada no mandato de Dilma. Nós também prestamos homenagem para a líder quilombola Tereza de Benguela. Na época da escravidão, ela liderou o Quilombo de Quariterê, localizado no atual estado do Mato Grosso, quando o marido morreu. A sua liderança fez história e ela se tornou símbolo de luta para as mulheres negras brasileiras.

Por tudo isso hoje é um dia de luta, reflexão e resistência. De se reverenciar Tereza, “uma certa magia”; de refletirmos sobre todas as Maria, Maria, essa “força que nos alerta”; de darmos salve a Regilane, minha amiga, e a todas assim como ela, que merecem “viver e amar como outra qualquer do planeta” Brasil. Os versos da música são precisos, sensíveis, belos e duros: “Uma gente que ri quando deve chorar”. Na leitura desse poema de Milton e Brandt, essas mulheres são tão fortes que parecem dotadas de um misticismo. “É preciso ter força, ter raça, ter gana, sempre”. Mulheres que, apesar das dificuldades para sobreviver e criar suas famílias, apenas aguentam firme. “Quem traz no corpo esta marca, possui a estranha mania de ter fé na vida”.

 

* Cícero Belmar é escritor e jornalista. Autor de contos, romances, biografias, peças de teatro e livros para crianças e jovens. Pernambucano, mora no Recife. Já ganhou duas vezes o Prêmio Literário Lucilo Varejão, da Fundação de Cultura da Prefeitura do Recife; e outras duas vezes o Prêmio de Ficção da Academia Pernambucana de Letras. É membro da Academia Pernambucana de Letras. Email: belmar2001@gmail.com; Instagram: @cicerobelmar. Na RUBEM, escreve quinzenalmente às segundas-feiras.

FONTE: Rubem: revista de crônica, Crônicas, 11.07.2022.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support