Atendimento (81) 3268-2211
×

Publicações

Panorama visto da ponte: a literatura contemporânea – por Lourival Holanda

 

É com surpresa e satisfação que o ano finda testemunhando uma renovação considerável da literatura, especialmente nos quadrantes nordestinos; sobretudo quando as Cassandras pessimistas continuavam a ver, na crise, uma diminuição da produção; já a evidência desdiz de seus prognósticos.
Ao contrário: a crise provoca a criação – que teima e transfigura dificuldade em solução. Variação e continuidade têm marcado o compasso da cultura literária entre nós.
Há pouco, e numa mesma tarde, celebrávamos produção nova da já consagrada Luzilá Gonçalves Ferreira e, ao mesmo tempo, Vanessa Passos, cearense, jovem vencedora do Prêmio Kindle de 2021: duas gerações atestando a presença da voz feminina no modo de reivindicar a reinvenção do mundo. Fábio Lucas, esse animador cultural atento à produção mais recente, havia proposto esse encontro.
Cícero Belmar, tratando da intensa dramaturgia do cotidiano, apresentava mais um lance de sua produção recente: O livro das personagens esquecidas. E agora, marcando merecida presença na Flip de 2022, Nivaldo Tenório dava provas de sua madurez criativa. Cristiano Aguiar abria vertente nova na prosa recente, com Gótico nordestino; Cristiano não surpreendia tanto quanto cumpria expectação dos que acompanham sua inquieta veia criativa.
Everardo Norões acaba de lançar um desnorteante conjunto de contos: Garrafas que sonham macacos; a maestria de sua prosa vem de mão madurada desde os primeiros livros de poemas.
Pouco basta para ver a produção literária nos quadrantes de cá: o Nordeste, esse país de renovação, sabe se erguer, política e literariamente. A necessidade de narração é uma constante na cultura; seja nas artes plásticas, na música ou no cinema: a arte cria um espelho onde a sociedade se vê, se denega e se projeta outra. Aqui a tradição é uma referência – como um monumento ao lado da estrada – não um obstáculo.
A página em branco, com seu peso de memória implícita, deixa o autor entre o risco da repetição – e a aventura do autenticamente novo.
A proliferação de textos nas redes sociais não implica em maior produção literária; há, de fato, uma democratização considerável dos meios. No entanto, literatura continua sendo uma questão de forma. Todos têm sentimento
e se expressam; legítimo, isso. Literatura vai fazer tais textos submergirem no escoadouro vertiginoso das redes; e outros, ficam.
Annie Ernaux, Nobel recente, fez literatura a partir de suas experiências, dolorosas e pessoais; mas, dizia, é uma questão
de forma. Ou seja: num primeiro momento não são ideias, reivindicações, sociologia. Saramago vai na mesma direção, numa entrevista: assim como o corpo é 75% água, a literatura é 75% linguagem.
É verdade que a mídia e o mercado pedem coisas digeríveis; ou não: no modo fast food.
Há uma instância potencial, a literatura, e nela as pessoas escrevem, espontaneamente; isso tem seu charme – como quem canta num karaokê: a orquestração ali é apenas uma base, secundária.
[Karaokê já é orquestra vazia]. A literatura é sim, essa entidade vazia, puro potencial – como o cérebro, o sexo, a linguagem: dependem do uso específico que, na circunstância, se fizer deles.
Assim finda 2022: o que vemos da produção literária desde a estreita
ponte do presente, o que circula entre nós e que ainda não podemos julgar com segurança – é um saldo positivo.

*LOURIVAL HOLANDA é presidente da Academia Pernambucana de Letras

Artigo publicado no Diario de Pernambuco de 13/12/22.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support